Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

GDF faz segunda pesquisa sobre segurança pública

Até abril, cerca de 70 pesquisadores vão percorrer as ruas de Brasília para ouvir da população como é a sua relação com a segurança pública. As visitas, que começaram em dezembro, fazem parte da segunda pesquisa distrital sobre o tema, que tem o objetivo de reunir dados estatísticos para a construção de políticas públicas mais focadas e mais eficientes.

 

Uma das grandes motivações para o levantamento é avaliar os crimes que deixam de ser informados às forças de segurança. “Analisamos as ocorrências do mês, mas, para desenhar uma política, também precisamos ter ideia do que deixou de ser registrado”, explica o subsecretário de Gestão da Informação, da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, Marcelo Durante.

 

“Analisamos as ocorrências do mês, mas, para desenhar uma política, também precisamos ter ideia do que deixou de ser registrado “ diz Marcelo Durante, subsecretário de Gestão da Informação, da Secretaria da Segurança Pública.

 

A primeira pesquisa, do começo de 2015 ao início de 2016, mostrou, por exemplo, que, em casos de roubos que não envolvem automóveis, apenas 55,8% das pessoas registram ocorrência. O número é menor quando se trata de agressão (31%), ofensa sexual (17,8%) e discriminação (5,5%).

 

O levantamento também serve para mapear vários outros fatores, como as condições urbanas locais e a avaliação popular do trabalho da polícia. “É um instrumento de monitoramento, que tem de ser colocado em prática de forma contínua.” Previsto no planejamento do governo, ele ocorre a cada ano e é intercalado por uma fase não-presencial.

 

Seis meses depois que os pesquisadores visitam as casas, a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan) entra em contato com os entrevistados por meio de um telefone cadastrado e aplica um novo questionário, menos detalhado. A intenção é checar a evolução das políticas e também avaliar se essas pessoas mudaram de opinião.

 

Como em 2015, 19.537 pessoas serão ouvidas, desta vez até abril. Em 2017, até a semana antes do carnaval, 32% das entrevistas haviam sido feitas. O levantamento é representativo para todas as regiões administrativas, o que permite um diagnóstico preciso e políticas específicas em cada localidade.

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload