Alimentos seguram inflação de janeiro

O primeiro indicador da inflação do ano de 2017 sinaliza que os preços dos produtos e serviços continuam mais contidos na comparação com as taxas registradas nesse mesmo período dos últimos 10 anos. O Índice de Preços ao Consumidor de Goiânia (IPC) variou 0,55% em janeiro, acima da taxa do mês de dezembro que ficou em 0,13%. Nos últimos 12 meses, a taxa acumulada é de 6,04%, muito abaixo dos 14,15% registrados no ano passado, de acordo com pesquisas da Gerência de Pesquisas Sistemáticas e Especiais do Instituto Mauro Borges de estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB), da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).

A inflação do mês de janeiro recebeu forte pressão dos grupos de educação, que passou de 0,33% registrado em dezembro para 7,99% e transportes que subiu de 0,52% para 0,82%. As mensalidades escolares, do ensino fundamental, tiveram reajustes de 10,59% e do ensino médio, 11,61%. A gasolina comum também aumentou 2,34%, o conserto de veículo subiu 7,84%, o etanol 3,74% e o óleo diesel, 4,17%.

O gerente de Pesquisas Sistemáticas e Especiais do IMB/Segplan, Marcelo Eurico de Sousa, cita que, embora sete dos nove grupos que formam o IPC de Goiânia tenham apresentado resultados positivos em janeiro, com preços mais elevados, o grupo alimentação – que tem o maior peso na formação total do índice - apresentou recuo, pelo 5º mês consecutivo, o que ajudou a segurar a inflação do primeiro mês do ano. Já o grupo da comunicação ficou estável.

2 visualizações0 comentário