Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Secretaria do Consumidor notifica empresas citadas em investigação da PF sobre a Operação Carne Fraca

Órgão do Ministério da Justiça quer explicações da JBS e da BRF sobre a qualidade e a segurança dos seus produtos. Processo administrativo pode ser aberto

 

A Secretaria Nacional do Consumidor, ligada ao Ministério da Justiça, notificou as empresas JBS e BRF por conta da citação das empresas na Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal no último dia 17 de março. A investigação é relacionada com o suposto pagamento de propina para obtenção de licenças sanitárias.


As notificações foram feitas pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, vinculado à Secretaria Nacional do Consumidor. Segundo o órgão, outros fornecedores poderão também vir a ser notificados a partir de novas informações que cheguem ao departamento.


As empresas deverão esclarecer os fatos e apontar os lotes de produtos adulterados, o tipo de adulteração envolvida, as quantidades, data de fabricação e validade dos produtos afetados. Caso se confirme a inapropriação das carnes distribuídas para o consumo humano, as empresas devem promover a imediata retirada dos produtos do mercado (recall).


Além disso, o DPDC pode instaurar processo administrativo contra os fornecedores envolvidos para apuração de violações às normas de proteção e defesa do consumidor, o que poderá redundar, para as empresas, na aplicação das sanções descritas no Código de Defesa do Consumidor, inclusive a pena de multa, em valores que podem chegar a, aproximadamente, R$ 9 milhões.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload