Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Inflação volta a perder força em sete capitais, diz FGV

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) atingiu alta de 0,31% na terceira prévia de abril, taxa que é 0,13 ponto percentual menor do que a variação apurada na segunda prévia do mês (0,44%). Esse resultado foi puxado pelo grupo habitação, com queda de 0,09% ante uma alta de 0,36% na segunda prévia do mês. A tarifa de eletricidade residencial caiu 2,67% depois de um aumento de 0,75%, no último levantamento.


A pesquisa em torno do IPC-S é feita pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) em sete capitais: Recife, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre. Dos oito grupos pesquisados, três apresentaram redução no ritmo de alta, três indicaram recuos e dois tiveram aumentos mais expressivos. Em educação, leitura e recreação, ocorreu forte desaceleração com a taxa passando de 0,37% para 0,02%.


Mais números da pesquisa

No grupo alimentação, o índice teve alta de 1%, ligeiramente abaixo da variação registrada na segunda prévia (1,06%) e, em despesas diversas, passou de 0,54% para 0,34%). Foi constatada queda em vestuário (de -0,64% para -0,66%) e em outros dois grupos houve retrações com menos intensidade do que no último levantamento: comunicação (de-0,39% para 0,30%) e transportes (de -0,21% para -0,20%). Já em saúde e cuidados pessoais, o índice avançou de 0,94% para 0,96%.


Os itens de maior impacto inflacionário no período foram: tomate (54,21%); plano e seguro de saúde (0,99%); batata-inglesa (22,45%); refeições em bares e restaurantes (0,51%) e gás de botijão (3,53%).

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload