Câmara Legislativa barra supersalários de empresas públicas do DF

Os supersalários estão barrados no funcionalismo público do Distrito Federal. Por 19 votos a 3, os distritais aprovaram, nesta terça-feira (9), a proposta que limita os vencimentos de servidores ao teto constitucional, no valor de R$ 30.741. O projeto de Emenda à Lei Orgânica que recebeu o aval dos parlamentares é idêntico ao admitido em primeiro turno. Ou seja, não recebeu emendas.

 

Pela nova legislação, estatais como a Companhia de Saneamento (Caesb) e a Agência de Desenvolvimento (Terracap) terão 90 dias para se adequar aos termos da lei. O prazo começa a valer a partir da publicação da matéria no Diário Oficial do DF.

 

Sete emendas receberam o parecer contrário do relator da proposta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o distrital Reginaldo Veras (PDT). Dessa forma, em cumprimento ao regimento interno, as matérias não foram submetidas à votação no plenário. “As propostas alteram drasticamente o texto original”, disse referindo-se ao projeto enviado pelo Executivo local.

 

O posicionamento do pedetista recebeu críticas de parlamentares. “Fizemos uma análise assodada da matéria, a qual, provavelmente, será alvo de uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin)”, pontuou Ricardo Vale (PT).

 

Emendas

Entre as emendas rejeitadas, está a matéria que diz respeito ao alto escalão do Executivo local. O substitutivo elaborado por Robério Negreiros (PSDB) previa que as parcelas referentes à gratificação de servidores e secretários de Estado, pela representação do governo em reuniões, audiências, conselhos e similares de estatais que sofrem influência direta ou indireta do DF — os jetons — fossem incluídas no cálculo do teto.

 

Além disso, ainda segundo o substitutivo, secretários de Estado cujos postos de origem são federais não poderiam acumular os vencimentos da União e do DF, tendo, assim, de optar por um dos valores. Atualmente, os titulares das pastas recebem o salário do posto inicial acrescido de 80% da remuneração pelo cargo na capital federal, desde que a soma não extrapole o teto do DF. É o caso, por exemplo, do secretário da Casa Civil, Sérgio Sampaio.

 

Salvaguardas

Já o substitutivo da bancada do PT, também rejeitado, determinava a exclusão dos valores relativos a benefícios trabalhistas do cálculo do teto. Com a emenda, deixariam de entrar na conta diversos auxílios, como vale-alimentação e afins. O veto às salvaguardas provocou bate-boca durante a sessão.

 

Chico Vigilante (PT) afirmou que a proposta é uma afronta à CLT. “Estaremos excluindo conquistas dos trabalhadores”, ponderou.

 

Em contra-argumentação, Robério Negreiros (PSDB) afirmou que as salvaguardas classificam-se como “um jeitinho para manter os supersalários”. Devido ao posicionamento, o tucano foi alvo de vaias vindas da galeria.

 

Via: Correio Braziliense

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle