Estradas rurais são recuperadas na Bacia do Descoberto


Obras incluem construção de 48 bacias de contenção e 13 peitos-de-pombo, além de terraplanagem de 3,5 quilômetros de vias em Brazlândia.


Uma das medidas de enfrentamento da crise hídrica no Distrito Federal é a melhoria da infraestrutura das estradas rurais na área do Alto Descoberto. Para isso, estão sendo construídas bacias de contenção na região da Chapadinha, em Brazlândia, para armazenar água da chuva e evitar o assoreamento. Popularmente chamadas de barraginhas, as bacias servem de barreiras para conter o transporte de sedimentos, como pedras, gravetos e resíduos de solo soltos, para as nascentes.

Desde o início das obras foram feitas 48 bacias. Dessas, 40 já foram georreferenciadas, o que permitirá que a Secretaria da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural acompanhe a manutenção das estruturas. As barraginhas favorecem a infiltração hídrica lenta e contínua. “A água retida é ofertada aos poucos ao solo e abastece o lençol freático da bacia”, explica o subsecretário de Abastecimento e Desenvolvimento Rural, Hercílio Matos.

As intervenções da pasta da Agricultura incluem serviços de terraplanagem das vias e criação de ondulações — chamadas de peito-de-pombo. A compactação do solo já foi feita em 3,5 quilômetros na bacia, como forma de evitar o desprendimento de pedras e outros resíduos da estrada. Nesse trecho, foram implementadas 13 elevações na pista. Isso permite a redução da velocidade da água da chuva que escoa para o reservatório. As obras são feitas por servidores da secretaria, com maquinário e material da pasta. Por isso, não geram custo extra ao governo de Brasília.


Enfrentamento da crise hídrica A previsão é que o Núcleo Rural Capão da Onça, também em Brazlândia, seja a próxima área a ter adequação das estradas. Além das adaptações nas vias, o governo de Brasília trabalha na recuperação de canais de irrigação da Bacia do Alto Descoberto, como os dos Córregos Cristal e Guariroba. O Canal do Rodeador também passou por melhorias em caráter emergencial. Outra frente de ação é a substituição de sistema de irrigação de aspersão por microaspersão ou gotejamento. Pelo menos 800 irrigantes da região serão conscientizados para a troca de tecnologia e, com isso, ajudar na economia de água.


2 visualizações0 comentário