Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Política Ao pé da Letra

Janot anuncia a Crise de agosto

“Agosto é o mês do desgosto”, diz o dito popular. Janot parece saber disso e já anunciou que vem vento forte pra cima do Planalto.


Numa entrevista agendada para segunda (10/08), o chefe da PGR planejou começar a semana respondendo aos ataques ‘temeristas’ que avançavam na base do “o pior já passou, o negócio agora são as reformas”. 


Perguntado sobre quem seriam os delatores, Janot respondeu: “Não posso dizer quem são. As colaborações são sigilosas. Um dos critérios é o seguinte: o cara está neste nível aqui [faz um sinal com uma mão parada no ar], ele tem que entregar gente do andar para cima [mostra um nível acima com a outra mão]. Não adianta ele virar para baixo, não me interessa”.


Por seu turno, Temer também sinaliza que se prepara para combater as flechas de Janot.  O panfleto governamental que se tornou a Isto É lasca sobre ele a pecha de “O Procurador Geral do PT“. 


Contudo, a ameaça de pedir o impedimento de Janot faz ele vítima e acentua ainda mais a convicção de que Temer é um homem capaz de tudo para encobrir seus crimes.


No jogo de ameaças que se tornou a política brasileira, Janot tomou a iniciativa na mesa. Qualquer reação de Temer será um “pagar para ver”.

 

Reforma (golpe) Trabalhista

Mesmo com o grau de desconhecimento ainda grande, a maioria da população sabe que a reforma trabalhista aprovada por Michel Temer é um desastre para o trabalhador.


Para 57% dos brasileiros, o desmonte da CLT só é bom para os patrões, revela pesquisa Vox Populi encomendada pela CUT.


72% afirmam que o desemprego vai aumentar com a nova legislação e além de 14% que acham que vai continuar como está, isto é, desastroso, porque já temos mais de 13,5 milhões de desempregados no país.


Apenas 3% consideram a reforma boa para os empregados entre os 1.999 entrevistados na última rodada da CUT-Vox Populi. Outros 15% acham que não é boa para ninguém, 12% que é boa para ambos e 14% não souberam ou não quiseram responder.


A maior rejeição à reforma trabalhista de Temer foi constatada no Nordeste, onde 63% acham que  nova lei vai beneficiar apenas os patrões. Entre os homens, o índice chega a 58%. Houve empate, entre os adultos, pessoas com ensino superior e que ganham até dois salários mínimos, houve empate: 59%,


Também é generalizada a convicção que a exclusão dos sindicatos nas negociações entre patrões e empregados vai prejudicar os trabalhadores.


Seis em cada dez entrevistados disse que será ruim ou péssima  a ausência do sindicato na hora de reivindicar aumentos ou benefícios com o patronato.


Ao contrário do que pensam os elitistas, o povão pode estar disperso, ausente das manifestações, mas está entendendo muito bem o golpe que está sofrendo.


Está apenas esperando a hora de falar.

 

Meiri Poza pede anulação da “Lava-Jato”

Há, desde abril, na mesa de Sérgio Moro um pedido de anulação da Operação Lava jato feito pela mulher que primeiro denunciou as falcatruas de Alberto Youssef.


Em depoimento, a contadora confirmou que uma operação de “busca e apreensão” da Polícia Federal foi forjada para “esquentar” a documentação que ela já tinha entregue anteriormente e que passou a se sentir ameaçada pela atitude dos policiais federais.


Por isso, arrola como testemunhas em seu processo ninguém menos que os delegados e agentes da operação e os procuradores Deltan Dallagnol e Carlos Fernando dos Santos Lima, estrelas da Força Tarefa. Meire, segundo diz, prestou a todos mais de 40 depoimentos.


Os fatos narrados por Meiri fazem todos os procedimentos feitos a partir da incriminação de Alberto Youssef desmoronarem, pelos métodos que os originaram.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload