Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Brasil: Marconi deve ser confirmado presidente do PSDB nacional com apoio de Alckmin

Imprensa paulista destaca articulações em torno da escolha do novo comando da legenda como parte da estratégia dos pré-candidatos tucanos à Presidência em 2018.

 

Em mais uma reportagem sobre as articulações do PSDB com vistas a 2018, o jornal Folha de S. Paulo, veiculado na primeira quinzena deste mês, destacou que o governador de Goiás, Marconi Perillo, deverá comandar a legenda nacionalmente, com o apoio do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O governador paulista iniciou um giro pelo Brasil para fortalecer sua pré-candidatura internamente no PSDB, começando por Minas Gerais. Segundo a Folha, o movimento principal de Alckmin em Minas será dia 29, quando discursará no encontro do PSDB no Estado.


Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, Marconi disse que as prévias são “o instrumento mais legítimo para a escolha” do presidenciável do partido para a disputa pelo Palácio do Planalto em 2018. “Prévias são um instrumento democrático de escolha. Elas devem ser mantidas, caso haja mais de um pré-candidato. Por mais que fiquem fissuras, é o instrumento mais legítimo e democrático que um partido pode ter”, disse o governador.


Marconi afirmou acreditar que, pela tradição de consenso interno no PSDB para a escolha do candidato presidencial, não será necessário promover as prévias entre o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito paulistano, João Doria, principais nomes do partido para o Planalto.


“Mas não creio que haverá entre Geraldo e Doria”, disse Marconi. “Não vejo em nenhum deles disposição para qualquer tipo de dissenso. Estou seguro de que haverá uma convergência entre eles e de que prevalecerá o bom senso, o compromisso maior com o projeto de vitória”, assinalou. A exemplo da Folha de São Paulo, o Estadão também noticiou que o governador goiano é “o favorito para assumir o comando do PSDB e liderar o partido na campanha presidencial de 2018”.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload