Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Ibaneis faz balanço do GDF e destaca  melhorias em alguns setores

 O empenho para geração de emprego e renda no Distrito Federal, a necessidade de privatização de serviços essenciais ao bem-estar do cidadão e os investimentos em obras de infraestrutura na cidade foram tratados pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), durante o balanço de sete meses de governo a imprensa. Para este segundo semestre, ele anunciou a construção de mais seis UPAs. Segundo Ibaneis, a saúde pública, um dos maiores gargalos deixados por seus antecessores, é o que mais tem tirado o sono. Ele afirmou que o atendimento no setor tem exigido atenção especial. “Eu peguei a saúde num cenário devastado, tenho consciência de que esse problema não está resolvido, mas nós temos um projeto e é bom que as pessoas saibam disso” frisou.

A imprensa local o governador falou sobre Educação, Saúde, desburocratização, construção de novos hospitais e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em regiões administrativas e obras estruturantes que irão melhorar a vida da população do DF.

Educação

Na área da Educação, o governador lembrou a contratação recente de 500 professores e informou que há possibilidade de remanejar cerca de 300 docentes que estão lotados em áreas administrativas das escolas para as salas de aula, ainda neste semestre. Também pontuou a reforma em mais de 300 escolas da rede e falou que quer construir mais cinco unidades, em especial nas cidades que não há centros de ensino. O governador explicou que há inúmeros terrenos destinados à Secretaria de Educação e que o planejamento é vendê-los para arrecadar dinheiro e investir em áreas prioritárias.

Aprovada por mais de 80% da população, a gestão compartilhada entre as secretarias de Educação e de Segurança será estendida ainda este ano para mais seis unidades. O plano é, segundo o governador, levar o modelo a 40 unidades da capital, atingindo até 60 mil alunos. A implementação das escolas interculturais bilíngues que começou neste mês é outra iniciativa que mereceu destaque na entrevista. “Já fizemos com a da França e estão levando, no contraturno, aulas de francês. Vamos fazer isso com diversas outras, sem custo nenhum para o governo. Vamos ensinar línguas, culturas”, afirmou Ibaneis.

Fim da Difal 

Ibaneis relembrou alguns dos projetos do Executivo que foram aprovados na Câmara Legislativa, como a proposta que extingue das empresas optantes do Simples Nacional a cobrança do diferencial de alíquota (Difal) sobre o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “Abri mão de uma arrecadação de mais de R$ 80 milhões para os cofres do DF para incentivar o micro e pequeno empreendedor”, enfatizou.

O chefe do Executivo comentou sobre os recursos da ordem de R$ 1 bilhão para serem investidos neste segundo semestre em projetos como a obra na DF-140, nos dois hospitais de Ceilândia, no alargamento no viaduto de Taguatinga, nos três viadutos previstos para o Setor Noroeste, no início das obras do Parque Burle Marx, entre outros.

Compromisso assumido na campanha, o projeto executivo de dois viadutos – um na entrada do Recanto das Emas, por onde passam cerca de 65 mil motoristas diariamente; e outro na entrada do Riacho Fundo I – já foram finalizados pelo Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER-DF). A previsão é que a obra seja lançada até outubro.

“Todos os políticos do Distrito Federal prometiam a construção desse viaduto do Recanto das Emas, eu achei que só faltava uma vontade, mas descobri que o projeto não estava pronto. Ele foi concluído há poucos dias para soltar a licitação. O viaduto também vai atender ao Riacho Fundo II. Vamos acabar com aquele engarrafamento todo”, garantiu Ibaneis.

Enquanto isso, o GDF trabalha no recapeamento da via. “O asfalto ali estava muito ruim, depois vamos até o Balão do Periquito. Vamos fazer todo o asfalto daquela região, chegando até o Caub”, prometeu. Ibaneis disse que as obras serão financiadas por uma emenda parlamentar impositiva do ex-deputado distrital Rôney Nemer.

O governador informou que vai investir em torno de R$ 120 milhões até o fim do ano na reforma, construção de calçadas e asfaltamento das principais avenidas das cidades. “No próximo ano, quando a situação melhorar, vamos entrar com asfalto em outras áreas. Tenho que cuidar primeiro do emergencial, é o que estamos fazendo”. Dentro desse planejamento, o chefe do Executivo lembrou que a cidade já está com outra cara, graças ao investimento de R$ 30 milhões em ações de recolhimento de entulhos, operação tapa-buraco, programa de podas. “O mínimo que se pode dar às pessoas é dignidade”, disse.

Assim, o governador lembrou que tem atendido, na medida do possível, demandas antigas da população, como o início das obras da rodoviária de Santa Maria, e o asfaltamento de um trecho de 8,2 km na DF-001, altura de Brazlândia, ambas esperadas por mais de 20 anos. Além dessas, o GDF está refazendo o pavimento do Eixão e o viaduto sobre a Galeria dos Estados foi concluído e entregue à população, em seis meses. A obra do Trevo de Triagem Norte foi agilizada: prevista para ser concluída em 2020, será entregue em outubro de 2019; e a licitação do viaduto da Estrada Parque Indústrias Gráficas (Epig) deve sair na próxima semana. “Estamos correndo atrás de tudo o que estava parado”, explicou.

Mudanças na saúde

O governador Ibaneis Rocha lembrou que quando assumiu o governo pegou a saúde no DF sucateada, mas que, graças ao apoio vindo da Câmara Legislativa, com a aprovação do programa de ampliação do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (Iges-DF), desenvolveu ações imediatas que possibilitaram começar a arrumar a o setor nos seus primeiros meses de gestão, como a reforma das seis UPAs em atividade e do Hospital de Santa Maria, além de contratar três mil trabalhadores. “Essa talvez tenha sido a maior revolução da saúde do Distrito Federal”, defendeu.

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload