Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

Ronaldo Caiado e Marconi Perillo travam duelo de acusações e muita baixaria

 “Você nota claramente que o ex-governador Marconi Perillo é um chefe de quadrilha. Ele não foi governador, ele foi chefe de quadrilha, assaltou Goiás, roubou o dinheiro do cidadão que não tem água em casa, que não tem vacina para dar aos filhos, que não tem hospital para tratar as pessoas”. A declaração foi feita pelo governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), ao ex-governador Marconi Perillo (PSDB), domingo, dia 18 de agosto, em Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal, durante entrevista à imprensa local ao participar do no 5º Encontro dos Nordestinos.

Os duros ataques foram em resposta a uma nota de Marconi Perillo, onde ele chamou o governador de “canalha e de impostor”. Na nota, Marconi afirmou: “Nesta quinta-feira, a belíssima e emocionante missa de encerramento da Romaria do Muquém foi profanada pela calúnia e pelo cinismo, expressos em linguagem chula, muito embora digna de quem a proferiu. Não me dirijo a esse canalha. Eu me reporto ao povo de Goiás, aos romeiros e aos missionários do Muquém, com quem estabeleci uma relação respeitosa e de confiança”. Em outro ponto, o ex-governador diz: “Após oito meses de mandato, está cada vez mais claro que estamos diante de um impostor.” 

Marconi se referia ao discurso de Caiado no encerramento da missa da romaria do Muquém, quando este o atacou indiretamente. “É preciso ter coragem de enfrentar todas as estruturas que sugam o dinheiro público e que não deixavam que a cidadania chegasse aos 246 municípios do Estado de Goiás”, discursou Caiado. E continuou: “Político não se enriquece com salário de político. Se começou a enriquecer, pode saber que está envolvido em bandalheira, seu mandato não lhe dá condição para aumentar patrimônio. Essa é a verdade”

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload