Entre em contato via e-mail, Whatsapp ou redes sociais:

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • G+ - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle

GDF e STF fecham parceria de atendimento psicológico e social a socioeducandos

 O Governo do Distrito Federal assinou acordo de cooperação técnica entre a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) e o Supremo Tribunal Federal (STF) na segunda-feira, dia 26. A parceria permitirá que os socioeducandos do sistema prisional do Distrito Federal tenham atendimento psicológico e assistência social. A iniciativa também vai permitir que, inicialmente, 19 socioeducandos que prestam serviços ao STF por meio da Fundação de Amparo ao Trabalhador tenham acompanhamento de psicólogos do Programa Pró-Vítima, da Subsecretaria de Apoio à Vítimas de Violência.

O governador Ibaneis Rocha destacou que a medida é um grande exemplo de inserção e reeducação dessas pessoas. “É uma forma de dar um futuro para essas pessoas que são abandonadas pelo sistema prisional. Esse acordo vai ajudar na ressocialização deles, que muitas vezes estão abalados psicologicamente e acabam trazendo grandes traumas para as famílias”, ressaltou, em discurso afinado com o do presidente do STF, ministro Dias Toffoli.

“Essa corte fornecerá todo o subsídio para que os socioeducandos possam ir à Secretaria de Justiça a fim de ter tratamento psicológico e capacitação profissional”, garantiu o magistrado. Já o titular da Sejus, Gustavo Rocha, enfatizou que o acordo de cooperação técnica visa a reintegração social e a não reincidência criminal dos socioeducandos. “É uma forma de resgatar essas pessoas recuperando a autoestima e mostrando a importância do trabalho delas para o STF e para a sociedade”, explicou o secretário, adiantando que a ação será estendida a outros órgãos a que os socioeducandos prestam serviço.

A ação também vai permitir que tanto eles como seus familiares desenvolvam a prática de atitudes e habilidades para controlar emoções e alcançar seus objetivos. Serão oferecidos cursos de curta duração sobre pequenos negócios, educação financeira e outros temas que estimulem atitudes empreendedoras.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload