Trabalho e cumprimento das normas sanitárias podem pôr fim a histeria da pandemia

O número de infectados e de mortes pela civd-19 segue numa curva ascendente em todo Brasil, e avança com força pelos municípios do interior, enquanto governadores de vários estados não se entendem quando o assunto é uma forma de trabalho eficiente para conter o avanço da doença. Muitos deles obrigam regras de distanciamento social, uso de máscaras, entre outras determinações, para a volta do comércio e espaços de lazer, mas o retorno não é correspondido pela população.  

A verdade é que, enquanto os governantes adotam medidas; na contramão, os brasileiros não respeitam nada e encontram subterfúgios para abrirem bares, restaurantes, clubes – E a população, da mesma forma, vai as praias, clubes, botecos etc. E nesse jogo de desentendimento entre governantes e o povo a covid-19 se alastra pelo país afora. Agora, vem a pergunta: Porque não se decreta abertura oficial de toda economia para a retomada do desenvolvimento, e ao mesmo tempo, se determina o cumprimento de todas as normas básicas sanitárias de combate a covid-19? Essa conciliação pode resultar em menos danos para o País, como reduzir número de mortes, e ao mesmo tempo, reaquecer a economia.

Para se ter uma ideia, durante este último fim de semana, restaurantes, bares e praias foram lotados por pessoas sem máscara em quase todo território nacional. O brasileiro parece ter perdido o medo do novo coronavírus, que já matou 64.867 pessoas no país e infectou 1,6 milhão, segundo a contagem do Ministério da Saúde neste último domingo, dia 05 de julho - Abertura geral da economia brasileira, com as determinações básicas sanitárias da saúde, por parte do segmento econômico e de todo povo, é a saída para o fim da pandemia. Afinal, a covi-19 não veio passear, nem tirar férias no Brasil. Um dia todo mundo vai pegar a doença. Essa é a realidade.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle