Edna na mira do MP por suposta prática de improbidade administrativa

 

Com pouco mais de cinco meses à frente da prefeitura de Luziânia (prefeito Cristóvão foi afastado em 21 de fevereiro), a vice-prefeita, hoje titular do Executivo municipal, pode também não cumprir seu governo interino. É que o Ministério Público de Goiás propôs quinta-feira, dia 30 de julho, ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra a prefeita interina, professora Edna, pedindo a concessão de liminar de tutela de urgência que determine seu afastamento do cargo.

 

O promotor de Justiça, Julimar Alexandro da Silva, titular da 6ª Promotoria de Luziânia, aponta a prática, pela gestora, de atos de improbidade na utilização da máquina pública para promoção pessoal e de seus correligionários, sobretudo em ano eleitoral – a informação é de que Edna Aparecida é pré-candidata à prefeitura nas eleições de novembro. 

 

Além do afastamento, o pedido de liminar inclui a determinação a Edna Aparecida para que remova imediatamente, “às suas expensas e sem utilização de recursos públicos, as fotografias, nomes, cores, símbolos ou imagens que configurem promoção pessoal da chefe do Executivo municipal ou de qualquer agente público, existentes em quaisquer obras públicas, bem como nas páginas oficiais eletrônicas e redes sociais pessoais ou da prefeitura de Luziânia, em especial o Instagram, devendo comprovar o cumprimento no prazo de dez dias, com relatório circunstanciado contendo todas as imagens e textos excluídos, sob pena de multa pessoal e diária no valor de R$ 10 mil, sem prejuízo da execução direta, por terceiros, às suas expensas”.

 

O MP também requer que seja determinado à prefeita que se abstenha de utilizar fotografias, nomes, cores, símbolos ou imagens que configurem promoção pessoal ou de qualquer agente público, em especial nas obras em que haja o emprego de recursos públicos, sob pena de multa pessoal no valor de R$ 10 mil, para cada infração verificada. Outro pedido da tutela de urgência é para que apresente, em 10 dias, em arquivo digital, toda as publicações, inclusive os vídeos, realizadas nos perfis oficiais do município de Luziânia (Facebook, Instagram, site oficial, etc), bem como nos perfis pessoais da demandada (Facebook, Instagram e outros), sob pena de multa pessoal e diária de R$ 10 mil.

 

Versão da prefeita interina

A prefeita interina de Luziânia, professora Edna, disse em entrevista exclusiva ao Repórter Político que se trata de “perseguição política” de grupos que querem tirá-la do governo. Edna Aparecida acrescentou ainda que não existe essa questão de autopromoção de sua pessoa, principalmente, porque ela nunca afirmou pra ninguém que é pré-candidata à prefeitura nas eleições deste ano. “Como é que você faz a inauguração de uma obra e não aparece nas fotos? Isso é quase impossível”, criticou.

Edna Aparecida justificou que o mesmo trabalho que é feito por sua assessoria de comunicação, de divulgação, também é realizado por outras administrações municipais em todo Goiás. “Trabalho das 7horas às 22horas, todos os dias, e tenho mostrado o resultado desse trabalho através das minhas prestações de contas, portanto, não vejo nada de errado nisso”, comentou.

Quanto a ação civil pública do MP-GO, a prefeita informou que vai se reunir com toda sua equipe de governo, inclusive, o departamento jurídico, para apresentar sua defesa. “Estou muita tranquila quanto a isso. O que existe é, puramente, uma perseguição política contra minha pessoa. O mesmo advogado e as mesmas pessoas que pediram o afastamento do Cristóvão, agora estão querendo me tirar do cargo com denúncias que não tem fundamento”, afirmou Edna.

 

Bloqueio de bens

Liminarmente, é requerido ainda que a prefeita apresente, em dez dias, cópia de processo licitatório de eventual prestadora de serviços de divulgação institucional e a relação nominal de servidores lotados no departamento responsável pela veiculação de notícias no site da prefeitura (qualificação completa, atos de nomeação ou decretos etc).
Visando garantir eventual ressarcimento de prejuízos ao erário, o promotor pede também o bloqueio de todos os bens móveis e imóveis da acionada, bem como a decretação da quebra de seus sigilos bancário e fiscal.

O promotor relata que Edna Aparecida era vice-prefeita de Luziânia, tendo integrado a chapa encabeçada por Cristovão Tormin nas eleições de 2016. Em meados de fevereiro deste ano, o prefeito foi afastado judicialmente do cargo, tendo Edna assumido interinamente a chefia do Executivo municipal. 

 

Autopromoção

Desde o início de sua gestão, ressalta a ação, a prefeita interina passou a fazer inúmeras divulgações de atividades rotineiras do cargo, por meio de publicações em redes sociais e no site do município, “em evidente ato de autopromoção”, com ênfase na figura pessoal da gestora. Essa conduta levou o Ministério Público de Goiás a expedir recomendação, em março deste ano, com advertência para que essa propaganda autopromocional com o uso da máquina pública fosse cessada. Contudo, segundo o promotor, a prefeita prosseguiu com seu “intento autopromocional”, em atitude ainda mais danosa por ser ano eleitoral e com a iminente candidatura de Edna à chefia do Executivo municipal. 

 

O promotor instrui a ação com reproduções de notícias e publicações em redes sociais que demonstram o caráter autopromocional das divulgações feitas. Também destaca trechos de textos que evidenciam essa propaganda pessoal da gestora. Com esse comportamento, destaca o MP, Edna Aparecida afronta os princípios que devem nortear a administração pública. “Com efeito, vê-se que a prefeita violou o princípio da imparcialidade, ao utilizar-se indevidamente das ações realizadas como enaltecimento pessoal, uma vez que a publicidade realizada pelo agente político não tem fins educacionais, informativos ou de orientação social, mas, tão somente, de favorecimento pessoal de sua imagem”. (Relesse da Assessoria de Comunicação Social do MP-GO).

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Circulação dirigida em Brasília, municípios goianos do Entorno do Distrito Federal e Goiânia. As matérias assinadas não representam, necessariamente, o ponto de vista deste jornal, sendo estas de responsabilidade de seus autores.

Matriz (Brasília): Qd. 2, Conjunto G, Casa 25, Candangolândia - CEP 71725-207 / Sucursal (Luziânia): Rua Padre Primo, sala 03, nº 67, Centro


Editora Comunicação e Marketing Ltda - Fone: 61 9 8124-1033 CEP 72800-620

  • whats
  • Facebook - Grey Circle
  • Twitter - Grey Circle
  • YouTube - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle